sexta-feira, 8 de setembro de 2017

dia 07 de setembro dia ..... do Desquite


Só pra te falar...

Em geral fico maldizendo gente que não presta no twitter, Dorias, Lulas, Temers, Alckmins, Bolsobestas e toda sorte de trastes que hoje dominam o triste imaginário brasileiro, e digo imaginário porque tenho a esperança de que na verdade eu estou em transe e quando passar, sairei das drogas para nunca mais ter essa bad trip, então hoje vai textão no Facebook.
Sem sombra de dúvida temos um dos piores governos da história, um dos piores, mas antes que falem, "ah mas ele está salvando as finanças", mesmo que isso fosse verdade, e não é, um governo não é só feito de finanças.
Governar tem origem no Latin e quer dizer algo como "tonar reto" e tudo que esses caras não possuem é retidão, em nenhum aspecto, um outro nome cabe melhor "bando de gente mal parida".
Governar tem a ver com dar exemplo, habilidade no trato da coisa pública, clareza em suas ações, transparência, e não "eu recebo quem eu quiser onde eu quiser" como latiu nosso presidente, o cara esqueceu que era para ele ser um band-aid e não a pexeira que irá sangrar a nação.
Eu sou a favor de privatizações, do uso sustentado de recursos naturais, de uma renovação nas leis trabalhistas e de reforma na previdência, então eu deveria estar feliz com o marido da Marcela, certo? Errado!! Todas estas coisas se faz com debate e discussão com a sociedade e não goela abaixo da nação, diga-se de passagem o congresso se transformou em nossa "garganta profunda" graças aos carinhos financeiros do amigo do Jucá.
E nesta situação ouvimos todo tipo de argumentos, como este:
Mas foi o capiroto de 09 dedos que pois ele lá! Verdade, então ele deveria seguir o plano de governo vencedor do pleito eleitoral de 2014, certo? Topa?
Estamos procurando um culpado ou querendo a cura de nossas mazelas? Pouco me importa de onde esse cramunhão veio quero saber qual reza que nos irá tirar desta situação.
A saída da tia de fala extraterrena tinha como mote o fim da corrupção! Tá, vamos assumir que não era isso, só queríamos tirar o partido de língua presa e a senhora com a roupa igual a da Marta Suplicy.
Hoje nosso mordomo da casa dos monstros marcha na nossa cara de maneira que até o Figueiredo iria achar bonito.
Me assusta mesmo não ver ninguém nas ruas protestando, tudo que vejo é um bate boca bobo por conta de uma polarização, qualquer Personal Stylist vai te avisar que isso já saiu de moda tipo calça saruel, que dá uma vergonha danada imaginar que já usou.
A verdade é que a classe política deste país é péssima, ela não representa nosso povo, isso serve para você que mora morro e para que mora na cobertura, quero lembrar que classe média também é povo, mas esses caras não representam nem mesmo o "mercado" que parece não ligar para os exageros de nossos políticos, mas isso depois falamos.
O fato é que precisamos parar de nos agredir por conta de partidos, estes caras não são de direita ou esquerda, não há ideologia, eles nos assistem como à uma rinha de galo, gritam em riem com seus copos fartos de boa bebida enquanto nos bicamos nos olhos.
Temos que nos despir destas camisas vermelhas e da CBF (aff), e dizer a estes caras que chega, deixar claro que eles não voltarão nunca mais ao poder, mas só conseguiremos isso unidos, e não como essa massa de manobra que esses parasitas pretendem no transformar.
As vezes penso que não queremos é assumir que fomos traídos, então vou ajudar, VOCÊ É CORNO, e eu também, mas quem nunca? Pronto exorcizado isso, vamos decidir, vamos deixar isso ser eternizado?
Vamos lá povo, vamos ter dignidade encher o pulmão e gritar que não aguentamos mais, e não tem dessa de voltar para casa da mãe, essa gente que vá embora e não vão levar nada embora, queremos toda a grana e a coleção de disco de vinil que eles tentam levar. 
Bom dia da independência para vocês amigos.

ROGERIA


Só pra te falar...

Ando perdendo tempo falando de seres chatos, lulas, dorias, bolsonadas, temers, mas hoje eu quero falar de um ser humano ROGÉRIA.
Não a conheci pessoalmente e nem faço ideia do como era em sua vida privada, mas penso na coragem dessa pessoa, hoje ainda convivemos com situações segregadoras absurdas, mas imagino quando a ingenuidade pura de ser quem queria, ou deveria ser, a fez dar este passo que de alguma maneira mudou toda uma sociedade.
Me lembro de ainda pequeno vê-la nos programas de auditório da TV aberta, programas assistidos ao lado da família, eu achava aquela "tia" engraçada e "despachada" dona de uma voz forte e sempre bem humorada, acho que somente na casa dos 14 anos meu pai ou minha mãe comentaram que ela era um cara. E é aí a contribuição desta senhora para nossa sociedade, ainda chata.
Rogéria não era um cara vestido de mulher, não era uma bicha louca (expressão muito utilizada para xingar os gays, cunhados e jogadores que futebol que caiam a menor toque), Rogéria era Rogéria, não havia essa de achar um absurdo que um travesti estava nos horários mais nobres da TV, não ouvia os mais velhos se queixarem.
Rogeria não era aceita, ela era como todos os outros artistas, mais engraçada e autentica é verdade, ela tinha passe livre na casa de toda família, mesmo quando tratava de assuntos mais delicados sua eloquência era admirável.
E mesmo não parecendo fazer parte da necessária militância LGBT, esse artista entrou em praticamente todo lar brasileiro pela porta da tv e la se instalou, fazia parte dos sábados e domingos de todos, e assim contribuiu para um mundo que hoje aceita discutir certos tabus.
Mesmo os mais caretas (mais uma expressão de outrora), esqueciam ou não se importavam com o gênero de Rogéria, e riam de suas falas como jurada, ou mesmo se impressionavam com seus números musicais.
Por tudo isso, e muito mais, a máxima da própria é perfeita: 

ROGÉRIA é "A Travesti da Família brasileira". Parabéns!

sábado, 10 de dezembro de 2016

Só pra te falar,

amanhã

É o poder de encarar o pior dos demônios, de invernar o inferno e lutar por uma grama verde, de gelar o fogo na sua chama mais bonita, de se martirizar e ver das chagas crescer as flores mais lindas na falta do sol, de saber que o dia irá raiar mesmos diante das lágrimas queridas e não alcançadas, de encarar o atropelamento da solidão sabendo que entrará no ônibus lotado de esperanças alheias e cotidianas, se alegrar com isso!